18/03/2020 às 13h52min - Atualizada em 19/03/2020 às 00h09min

Ensino a distância pode ajudar escolas durante a pandemia de coronavírus

Para evitar atrasos no calendário pedagógico, escolas podem aproveitar as vantagens da tecnologia e aproximar a modalidade EaD do dia a dia da educação básica

DINO
https://www.melhorescola.com.br/
Foto: Reprodução


As aulas nas redes estaduais, municipais e privadas de ensino estão sendo suspensas como medida para conter a propagação do novo coronavírus. Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná e o Distrito Federal já anunciaram a paralisação das atividades escolares de acordo com as recomendações das autoridades da saúde. No estado de São Paulo, a suspensão gradual começou na última segunda-feira, 16, e a interrupção total se dará a partir do dia 23.


A Secretaria de Educação de São Paulo alerta, no entanto, que as crianças e adolescentes não devem manter contato com idosos e pessoas que se enquadram no grupo de risco do coronavírus (Covid-19). "Tendo em vista que idosos (acima de 60 anos) constituem grupo de risco em caso de contágio com o coronavírus, de acordo com o Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, as crianças e jovens não devem ser deixadas aos cuidados de idosos, como avós, por exemplo", diz a nota emitida em conjunto pela Secretaria Estadual de Ensino com as entidades de educação.


Nesse cenário, escolas veem no ensino a distância a possibilidade de diminuir os efeitos do cancelamento das aulas no calendário escolar. Em entrevista ao Melhor Escola, Juliana Ap. Costa Gardil, coordenadora pedagógica do Colégio Tutor, contou que a escola já utiliza o sistema Iônica, da FTD, e por hora, deverá continuar disponibilizando materiais educacionais para os alunos de todos os ciclos. "Estamos aguardando o direcionamento da Secretaria de Ensino sobre as próximas medidas a serem tomadas. Por enquanto, vamos utilizar nosso acesso virtual para disponibilizar atividades que trabalhem o conteúdo já programado. Assim, os alunos não ficarão afastados das atividades escolares", conta Juliana.


Escolas que não possuem uma plataforma de ambiente virtual de aprendizagem podem usar as redes sociais, e-mail e pastas compartilhadas nas nuvens para disponibilizar e receber as atividades dos alunos. O momento de contingência permite que as escolas explorem mais o uso de tecnologias no dia-a-dia da educação básica, além de oferecer aos pais recursos para manter os jovens e crianças ocupados dentro de casa. Atualmente, o ensino a distância no Brasil é amplamente utilizado pelas instituições de ensino superior, enquanto na educação básica a experiência ainda se limita a atividades complementares.


Ao redor do mundo, quase 300 milhões de alunos de 22 países estão afastados da escola por conta da expansão do Covid-19. Na China, onde as escolas estão fechadas desde o dia 9 de fevereiro, foi lançada uma plataforma nacional de ensino que disponibiliza conteúdos educacionais de diversas áreas e em diferentes formatos, como vídeo aulas, filmes e jogos. A UNESCO também organizou uma lista de plataformas e mecanismos de aprendizagem para tentar diminuir os impactos da perda de aulas presenciais nesse ano letivo.
A previsão do Governo de São Paulo é que o surto de coronavírus dure "de quatro a cinco meses". Contudo, as medidas restritivas adotadas pela administração estadual, que incluem a suspensão das aulas, não devem ser aplicadas por todo este período. Ainda não há um prazo para retorno das aulas.


Sobre o Melhor Escola


O site Melhor Escola foi criado em 2012, depois que seu idealizador, Juliano Souza, se frustrou ao não encontrar uma ferramenta que o ajudasse a escolher uma escola para seu filho. Hoje, o portal conta com informações de todas as escolas cadastradas no MEC (mais de 193 mil), além de avaliações de pais, alunos, ex-alunos e professores.
Em 2016, o site passou a fechar parceria com escolas particulares para auxiliar na captação de alunos e gestão escolar. Atualmente o marketplace possui mais de 5.000 escolas parceiras.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »