13/12/2019 às 16h57min - Atualizada em 15/12/2019 às 00h00min

Pesquisas mostram que o setor de construção civil começa a retomar o caminho do crescimento em Minas Gerais

Balanço apresentado pelo Sinduscon-MG destaca que Belo Horizonte é a capital do país que mais gerou empregos com carteira assinada na construção de janeiro a outubro de 2019

DINO
http://www.sinduscon-mg.org.br


As boas notícias na economia brasileira começaram a se consolidar e os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) relativos ao terceiro trimestre do ano, que vieram acima da média das expectativas, evidenciam isso. A redução da taxa básica de juros, a recuperação gradual do mercado de trabalho, a inflação sob controle, a elevação do crédito e o encaminhamento da reforma da previdência são alguns fatores que ajudaram a melhorar o ambiente macroeconômico e, portanto, contribuíram para a expansão.

Nesse contexto, o grande destaque é a indústria da construção. De 2014 a 2018, a queda do PIB do setor foi de 30%, enquanto a economia nacional registrou retração de 3,8%. Agora, os números evidenciam que a construção é um dos segmentos que está fortalecendo a recuperação nacional. No terceiro trimestre de 2019, na comparação com igual período do ano anterior, a alta registrada foi de 4,4%, a maior dentre todos os setores de atividade. Deve-se lembrar de que a última vez em que o setor cresceu foi em 2013 e, por isso, esse resultado é importante, apesar da base de comparação ser deprimida.

As informações são do balanço anual do setor, divulgadas pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG). A entidade também apresentou informações sobre o desempenho da construção civil no Brasil e em Minas Gerais, o cenário econômico nacional, a avaliação do mercado imobiliário, com os dados das cidades de Belo Horizonte e Nova Lima, financiamento imobiliário, índice de confiança do empresário da construção civil no Estado e as perspectivas para a economia nacional e a construção em 2020.

Em todas as análises comparativas, a construção civil cresceu, impulsionando o investimento e contribuindo positivamente para os resultados do PIB. Nos primeiros nove meses de 2019, em relação a igual período do ano anterior, o setor registrou alta de 1,7%. A melhora do ambiente macroeconômico e da confiança dos empresários contribuiu para esse resultado.

As vendas de apartamentos novos estão superiores aos lançamentos. Nesse contexto, vale ressaltar a importância do crescimento do financiamento com recursos da caderneta de poupança. Assim, mesmo com as dificuldades com o Programa Minha Casa, Minha Vida, o setor acumulou, nos primeiros dez meses do ano, um saldo positivo de 124 mil novas vagas com carteira assinada em todo o Brasil, o que correspondeu a 15% dos empregos formais gerados no período.

Importante destacar o quanto a construção civil ainda precisa fortalecer o seu crescimento. O setor está 30% abaixo do pico de suas atividades, que foi registrado no fim de 2013. Mesmo diante dessa situação, o início da reação do setor já contribui para impulsionar e dinamizar as atividades econômicas nacionais, como aconteceu nos últimos dois trimestres.

O balanço geral do setor em 2019 é claro: a Construção saiu do fundo do poço e mudou a rota. Deixou de cair e começa a trilhar o caminho do crescimento. Agora é essencial dar sustentabilidade a essa recuperação em todas as suas esferas de atuação.

Além dos resultados do PIB, o balanço do Sinduscon-MG destaca que o número de trabalhadores na construção civil cresceu no Brasil, em Minas Gerais, na Região Metropolitana de Belo Horizonte e em Belo Horizonte. Minas Gerais é o Estado que mais gerou vagas no setor nos primeiros dez meses do ano e Belo Horizonte aparece como a capital do país que mais gerou empregos com carteira assinada na construção em 2019 (janeiro a outubro).

O Sinduscon-MG aponta que as vendas de apartamentos superaram os lançamentos imobiliários, o que reduziu a oferta de novas unidades disponíveis para comercialização. Com isso, o preço de apartamentos em Belo Horizonte e Nova Lima está subindo mais que a inflação. Destaque para a redução de lançamentos de padrão econômico (até R$ 215 mil). Já o Valor Global de Vendas (VGV) de apartamentos nos três primeiros trimestres do ano alcançou R$ 1,575 bilhão. "Os empresários da construção estão confiantes e as expectativas são otimistas para o próximo ano", afirma o presidente do Sinduscon-MG, Geraldo Jardim Linhares Júnior.



Website: http://www.sinduscon-mg.org.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »