04/08/2020 às 20h39min - Atualizada em 04/08/2020 às 20h39min

Corpo de militar do Exército encontrado morto chega em cidade natal sob homenagem de multidão

G1
Arquivo pessoal
Um final trágico para um jovem identificado como Jonatha Correa Pantoja, de 18 anos, lotado no Comando Militar da Amazônia (CMA), um jovem que sonhava com a carreira militar.

O corpo de Jonatha chegou na cidade de Borba, distante 141 Km de Manaus, na manhã desta terça-feira (4), acompanhado por uma multidão. O militar foi encontrado morto com um tiro no peito, na madrugada dessa segunda-feira (3), no 7º Batalhão de Polícia do Exército (7º BPE).



Segundo informações o jovem estava de serviço no momento em que foi atingido por um tiro, ainda não se sabe de onde partiu o tiro que matou o jovem militar. O Comando Militar da Amazônia (CMA) informou, por meio de nota, que um inquérito foi instaurado para apurar as circunstâncias da morte. Familiares denunciaram que acreditam que ele foi vítima de tortura.

A família de Jonatha informou que o jovem saiu de Borba para servir às forças armadas em Manaus, em 2019. Nesta terça-feira (4), por volta de 11h, o corpo foi recebido na cidade sob homenagem da população.

Uma multidão acompanhou o translado do caixão do aeroporto da cidade até a casa dos pais, no bairro Ipiranga, onde acontece o velório. A previsão é que o corpo seja enterrado às 17h30, no cemitério São Francisco.
 

De acordo com a familia do militar, o corpo apresentava perfurações nas costas, nos braços e na cabeça. Familiares acreditam que as marcas são sinais de violência e buscam esclarecimentos acerca da morte do jovem.

O tio de Jonatha, Valdionor Maciel, disse que servir ao Exército era um sonho de infância do jovem. “Aquela farda era a vida dele. E ele foi brutalmente assassinado dentro do próprio órgão que ele admirava. Um jovem cheio de sonhos, com uma vida pela frente, e infelizmente aconteceu essa tragédia”, contou.


 

Segundo o Comando, um inquérito Policial Militar (IPM) foi instaurado para apurar as circunstâncias da morte e deve ser acompanhado pelo Ministério Público Militar.

Segundo a nota, o 7º BPE está prestando toda a assistência necessária aos familiares. "O Comando Militar da Amazônia lamenta o fato ocorrido e se solidariza com a família neste momento de luto", finaliza a nota.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »