21/07/2020 às 12h51min - Atualizada em 28/07/2020 às 14h03min

Startup cria função que paga quem atender as ligações dos Call Centers

Tecnologia permite que consumidores sejam monetizados pelas ligações atendidas e também doem gorjetas aos atendentes de call centers

DINO
https://elopag.com.br/
Departamento de criação

A EloPag startup brasileira desenvolveu um recurso que paga os consumidores que aceitarem atender as ligações das empresas. A função intitulada de Chamada Monetizada tem como objetivo solicitar um aceite dos clientes antecipadamente, assim os clientes poderão informar as empresas de forma consentida, se estão disponíveis a atender ou não uma ligação, segundos antes de ela ser efetuada.

O mecanismo promete gerar maior engajamento e ser útil para ajudar a aumentar a conversão das chamadas atendidas com sucesso.

 A startup já testa, desde maio deste ano, um chat monetizado que segue as mesmas premissas de pagar pelo consentimento dos usuários com base na LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, os dois produtos são personalizados e devem ser solicitado pelas empresas que desejarem aderir ao novo modelo de comunicação direta, afirma Edgard Melo – fundador da startup.

Para as empresas que aderirem ao novo modelo, o protocolo será o seguinte: enviar um convite para os clientes informando que a ligação poderá ser monetizada, bastando o consumidor baixar o aplicativo que já está disponível para as versões Android e IOS.

De acordo com a EloPag, segundos antes da empresa realizar a ligação, o cliente recebe um alerta que aparece na tela do celular, mesmo que o aplicativo não esteja em uso, o alerta é idêntico a uma chamada normal, o aplicativo exibe no smartphone o nome e logotipo da empresa que está prestes a ligar, e o alerta contêm a informação - ligação monetizada.

O aviso antecipado promete reduzir os custos com ligações, além de evitar que sejam feitas chamadas indesejadas, a opção é do cliente, que informa se irá atender a chamada que a empresa está prestes a fazer – caso negativo – o cliente ainda poderá conversar direto no chat monetizado, evitando que a empresa efetue a ligação de voz.

Melo afirma que ter o consentimento pago para fazer uma ligação, além de reduzir os custos das chamadas do call center, também irá empoderar o atendente que irá efetuar a ligação, pois não basta o cliente dar o aceite e pronto já ganhou créditos, a ligação que é feita logo em seguida a autorização, precisa ser eficiente e bem-sucedida. Logo após o atendente desligar, ele classifica a ligação - que automaticamente efetua o crédito na conta digital de relacionamento do cliente, que acumulando o valor de R$ 25,00 reais, poderá solicitar o saque do valor para sua conta corrente.

Outra novidade que será lançada: com a solução, os consumidores poderão dar gorjetas aos atendentes. Se o atendimento for resolutivo e o consumidor desejar, poderá doar uma gorjeta - muito parecido como é feito hoje com os motoristas de aplicativo de transporte; a ideia também é ajudar os atendentes. Hoje o salário médio do cargo de operador de Call Center Receptivo (6 horas/dia) no Brasil é de R$ 1.347,52 - é preciso união, visto que no fim, um precisa do outro, reitera Melo. 

Sobre a LGPD

Tirando algumas situações previstas na LGPD, o próprio cidadão define se seus dados pessoais podem ou não ser tratados por terceiros.

A principal palavra da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), sem dúvidas, é o CONSENTIMENTO. É o titular, ou seja, a pessoa a quem se referem os dados que deve, se quiser - ao ser questionada, de forma explícita e inequívoca - autorizar que suas informações sejam usadas, por empresas e órgãos públicos, na hora da oferta de produtos e serviços, gratuitos ou não.

Portanto, com a nova lei, fica claro que quem é o verdadeiro dono do dado não é aquele que o utiliza, nem aquele que o salvaguarda em bancos de dados. Nada disso, o dado pessoal é estritamente da pessoa a quem ele diz respeito. Na teoria isso parece algo óbvio, mas na prática não é bem assim. E tem muito dado particular sendo usado para fins que seu dono ou dona real sequer sabem. Usos, inclusive, que podem até mesmo prejudicá-los.

Logo, se cidadão não quer seus dados sendo manipulados por aí de forma indevida, tenha atenção aos seus direitos, que estão elencados na LGPD. E, aos poucos, os consumidores vão aprendendo mais sobre como exercê-los, ressalta Melo.

Através da solução o cidadão poderá informar as empresas que deseja ter uma comunicação direta e monetiza, e através da nossa "Conta Digital de Relacionamento"- o cliente poderá receber os créditos desta interação.

Na EloPag a validação de dados é feita direto na melhor fonte de dados existente "o cliente" - porém a startup também avança em uma parceria com o SERPRO empresa responsável pelas soluções de TI do Governo Federal - a plataforma de Inteligência de Negócios do SERPRO permitirá validar de forma unificada dados cadastrais diretamente nas bases de governo, envolvendo, inclusive, biometria digital e validação facial. Ter o consentimento de maneira paga irá mudar a forma como empresas e clientes se relacionam.

O modelo está sendo divulgado para diversos players do mercado, inclusive para grandes call centers e bancos, no entanto, cabem aos consumidores e atendentes, solicitar a adesão das empresas a este novo movimento, que preza não só pela melhoraria do atendimento ao consumidor como a do próprio setor teleatendimento.

O momento será de empoderamento dos consumidores com a chegada de várias tecnologias, tais como:Open Banking, PIX e a própria LGPD, o cliente está no centro de tudo, e monetizar os consumidores irá reforçar ainda mais o compromisso e o respeito que as empresas têm com os seus clientes. Finaliza Melo.

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »