17/04/2020 às 11h44min - Atualizada em 17/04/2020 às 13h33min

Especialista esclarece sobre o uso correto da vitamina D

Diante das informações controversas e fake news sobre vitamina D relacionadas à pandemia causada pelo novo coronavírus, o Dr. Francisco Paranhos, ortopedista, PhD em Endocrinologia e pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro, esclarece sobre o papel desta vitamina para a nossa saúde.

DINO
Foto: Reprodução


Diante das informações controversas e fake news sobre vitamina D relacionadas à pandemia causada pelo novo coronavírus, o Dr. Francisco Paranhos, ortopedista, PhD em Endocrinologia e pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro, esclarece sobre o papel desta vitamina para a saúde.


“Diversos estudos internacionais comprovam cientificamente que a vitamina D contribui para reforçar o sistema imunológico. Ela estimula as células da imunidade inata e a produção de substâncias antimicrobianas, importantes na primeira linha de defesa contra os micro-organismos”, ressalta o especialista. Confira:


O que é a vitamina D?


A vitamina D é um pró-hormônio produzido pelo nosso organismo, que contribui para inúmeras funções, entre elas a absorção de cálcio pelo intestino, mineralização óssea, função muscular e prevenção das quedas, no funcionamento do sistema imunológico, dentre outras funcionalidades. A deficiência dessa vitamina está associada ao raquitismo, osteoporose, uma pior evolução de doenças autoimunes, a redução da função muscular nos idosos, dentre outras alterações. Fato é que a o bom nível da vitamina D tem se mostrado como um indicador de saúde. Em diversas doenças, normalmente os pacientes com os melhores níveis da vitamina D têm se mostrado com melhor estado de saúde.


Por que é importante tomar sol?


Porque a exposição solar é fundamental para a produção da vitamina D no nosso organismo. O ideal é se expor ao sol por pelo menos 15 minutos, 3 vezes na semana, de preferência entre 10h e 14h, sem protetor solar. Deixe pelo menos os braços e as pernas descobertos, pois quanto maior a área de exposição ao sol, melhor a produção deste pró-hormônio na pele. Os filtros solares de foto proteção 30 inibem de 95% a 99% a produção da vitamina D. A cobertura das roupas também atrapalha a produção. É bom reforçar que não devemos exagerar na exposição solar.


Consumir alimentos ricos em vitamina D: peixes gordurosos como salmão, cavala e sardinha, por exemplo, e cogumelos secos, pode ajudar. Ovos e fígado bovino também têm essa vitamina, mas em quantidades menores. No entanto, é importante esclarecer que seria preciso o consumo de quantidades muito altas desses alimentos para obter uma quantidade adequada da vitamina, de forma que a exposição solar é mesmo a nossa maior fonte de produção e fornecimento natural desta vitamina.


São vários os fatores que contribuem para uma insuficiência vitamínica D. Da alimentação com poucas quantidades até a baixa exposição solar nos períodos de menor insolação ou simplesmente a redução do tempo de exposição. Neste momento de quarentena, de pouco exposição solar, nos preocupamos muito mais com a insuficiência vitamínica D, principalmente nos idosos e nas pessoas mais frágeis.


Como a vitamina D contribui para a imunidade?


Diversos estudos internacionais comprovam cientificamente que a vitamina D contribui para reforçar o sistema imunológico. Ela estimula as células da imunidade inata e a produção de substâncias antimicrobianas, importantes na primeira linha de defesa contra os micro-organismos. Por isso, ajuda a proteger o nosso corpo de infecções. Há vastas pesquisas em diversos países relacionando o baixo nível de vitamina D e o risco aumento de infecções e doenças autoimunes. 1-2 Artigo recente do infectologista norte-americano Tom Frieden, ex-chefe do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, ressaltou alguns destes benefícios.


Quando se deve fazer a suplementação?


A suplementação de vitamina D deve ser feita por meio de recomendação médica, quando a combinação de exposição solar e alimentação não seja suficiente para manter o nível desta vitamina regulado. Estudos mostram que 77% da população brasileira estão abaixo deste nível. 3 A suplementação de doses diárias de 1.000 UI a 2.000 UI da vitamina D3 (equivalentes a 7.000 UI e 14.000 UI semanais) pode ajudar a normalizar o seu nível neste período de quarentena. Entretanto devemos evitar de usar altas dosagens desta vitamina sem a orientação médica adequada.


Como saber se estou com o nível ideal de vitamina D?


Procure o seu médico, que poderá avaliar a necessidade de realização de um exame de sangue ou recomendar a suplementação.


Quais são os principais grupos de riscos relacionados à falta de vitamina D?


Idosos, gestantes, pessoas com pele negra, pessoas que não se expõem ao sol, pessoas que fizeram cirurgias bariátricas e pacientes oncológicos fazem parte dos grupos de risco para hipovitaminose D.4


Referências consultadas: 


1Gil A, Plaza-Diaz J, Mesa MD. Vitamin D: Classic and Novel Actions. Ann Nutr Metab. 2018; 72: 87–95. DOI: 10.1159/000486536


2Martineau AR, Jolliffe DA, Hooper RL, et al. Vitamin D supplementation to prevent acute respiratory tract infections: systematic review and meta-analysis of individual participant data. Br Med J. 2017; 356(i6583): 1 – 14. doi: https://doi.org/10.1136/bmj.i6583


3Jorge A, Cordeiro J, Rosa M, Bianchi D. Deficiência da Vitamina D e Doenças  Cardiovasculares. International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(4)422-432


4Ferreira CES, et al. Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) e da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM): intervalos de referência da vitamina D-25(OH)D. Disponível em: http://www.sbpc.org.br/wp-content/uploads/2017/12/PosicionamentoOficial_SBPCML_SBEM.pdf. Acesso em: 11 set. 2018.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »