25/03/2020 às 16h43min - Atualizada em 26/03/2020 às 00h00min

Solução permite atendimento médico à distância pelo SUS

Telemedicina agora está ao alcance da rede pública de saúde. A Eicon, empresa paulista de soluções para gestão pública, lança o SIAT, ferramenta que permite prefeituras e estados realizarem triagem, orientação e atendimento médico por meio da telemedicina e inteligência artificial.Objetivo é reduzir a frequência e agilizar o atendimento nas unidades de saúde. Protocolo de triagem está apto a avaliar casos de Coronavírus e outras epidemias.

DINO
http://www.eiconbrasil.com.br
FOTO: Divulgação

Antes um privilégio de clientes da rede particular de saúde, a telemedicina está agora ao alcance da população usuária do SUS (Sistema Único de Saúde). A Giespp, empresa do Grupo Eicon, líder em soluções para a gestão pública, acaba de lançar o SIAT (Solução Inteligente de Atendimento e Triagem), uma ferramenta que permite às redes públicas de saúde a realização de triagem, orientação e o atendimento médico por meio da telemedicina e inteligência artificial.


A tecnologia, baseada em protocolos clínicos de triagem reconhecidos, possibilita a orientação a partir de um questionário interativo disponível em um app que analisa, por meio de uma central de atendimento clínico 24 horas, cada caso e indica a classificação de risco e se a pessoa precisa procurar um pronto-socorro ou se poderá realizar uma avaliação por teleconsulta, chat ou vídeo. Nos casos de encaminhamento para o pronto-socorro, o atendimento será mais ágil, já que a unidade terá no prontuário eletrônico a pré-triagem realizada no aplicativo.


"A solução trará mais segurança aos pacientes, reduzindo os autodiagnósticos baseados em pesquisa na internet, e evitando, em muitos casos, a ida desnecessária à unidade de saúde", diz Luiz Alberto Rodrigues, CEO da Eicon. "A gestão da saúde também ganha, com a diminuição do número de ocorrências nas unidades e a consequente redução dos custos de todo o sistema, além da agilidade nos atendimentos", completa.


Por meio de uma central de inteligência e monitoramento é possível também fazer a gestão de indicadores epidemiológicos e de atendimento, de forma georreferenciada, mapeando perfil epidemiológico e de saúde da população por meio da criação de um prontuário eletrônico dos atendimentos realizados. A solução está preparada com protocolos de triagem para casos de Coronavírus, H1N1, Dengue, Chicungunya, Sarampo e Febre Amarela.


"A tecnologia é inovadora e permite que o administrador tenha maior controle sobre a gestão da saúde. Com base no georreferenciamento, a ferramenta pode traçar um mapa de calor de casos de epidemias ou morbidades frequentes em determinada região, permitindo ações planejadas", destaca Diego Oliveira, gerente de produtos da Giespp.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »