13/01/2021 às 15h10min - Atualizada em 13/01/2021 às 15h10min

​Equipes do 24° DIP prendem estelionatário que se passava por pastor para aplicar golpes

PORTAL DO SENA - Informando com credibilidade

Secom
Imagem ilustrativa - Foto: Reprodução
Nesta quarta-feira (13/01), por volta de meio-dia, policiais civis do 24º Distrito Integrado de Polícia (DIP), coordenados pelo delegado Marcelo Martins, titular da unidade policial, prenderam em flagrante, Fabrício Gomes Morais, de 42 anos, por estelionato.

O indivíduo se passava por pastor de uma igreja e induzia as vítimas a pagarem despesas dele e comprar bens como carros e móveis por meio de falsos comprovantes de Swift Code (Código de Transferência Bancária Internacional). 

Conforme a autoridade policial, até o momento, quatro vítimas compareceram à unidade policial para realizar Boletim de Ocorrência (BO) e durante os depoimentos informaram que o homem praticou os golpes. Durante as investigações os policiais descobriram que o infrator já havia sido preso nos estados de São Paulo (SP), Mato Grosso (MT), Pará (PA) e Goiás (GO), por atuar no mesmo modus operandi. 

“Ele se passava por padre, pastor e até advogado para aplicar os golpes nas vítimas. Aqui em Manaus, o estelionatário se passava por pastor e afirmava que pretendia abrir uma igreja e dispunha de um valor de R$ 3 milhões em Londres”, informou Martins. 


De acordo com o titular do 24° DIP, nesta quarta, as equipes receberam a informação que ele estava atuando em um hotel, situado no bairro Centro, zona sul da cidade, sendo assim, os policiais foram ao local e conseguiram efetuar a prisão dele em flagrante, no momento em que cometia o delito. Segundo o delegado, apesar do infrator ter sido condenado em outros processos criminais em vários estados brasileiros, não havia mandado de prisão em aberto em nome dele. 

Procedimentos – Encaminhado à delegacia, Fabrício foi autuado em flagrante por estelionato. Após os procedimentos cabíveis, ele será encaminhado a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde ficará à disposição da Justiça.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »